Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

embuscadamaternidade

Diário de alguém que sonha ser Mãe e tem o difícil papel de tratar a infertilidade por tu.

Diário de alguém que sonha ser Mãe e tem o difícil papel de tratar a infertilidade por tu.

embuscadamaternidade

01
Nov18

Cheia de novidades!


Embuscadamaternidade

Olá, acreditam que já não vos falo desde Março? Eu não. Penso tanto em vocês, e tenho sempre tantas coisas para contar... mas de facto parece que a minha vida não encontra pausas. Tudo acontece a ritmo alucinante. Tenho amigas que me dizem que não desejavam a minha vida e que necessito abrandar senão qualquer dia dá-me uma coisinha. Olhem espero que não. Eu ando sempre desesperada, cansada, desmotivada mas por estranho que pareça sou feliz! Muito feliz! Tenho os filhos que mais desejo neste Mundo e o marido também não está mal. 

 

Quanto a novidades:

Então este ano foi o ano de viragem do mais velho. Deixou o Jardim de Infância que tanto adorava e entrou numa escola primária. As minhas duvidas foram tantas mas tantas se havia de o meter este ano que até tive uma ruptura (parcial) de ligamentos no pé. Estão a pensar que estou doida, mas o osteopata perguntou me se andava muito indecisa, com duvidas, destabilizada, e tendo em conta que nunca me viu mais gorda acertou. Dou-lhe algum benefício de dúvida. Esse tempo foi difícil fiquei de muletas e as dores bem nem imaginam. Ainda hoje o pé me dá que fazer e nunca mais vai ser o mesmo, infelizmente. Mas voltando ao que realmente importa... Levantou-se o "problema" de o António ser condicional. Quem não sabe o que é é porque ainda não lidou com a primária. O meu filho faz anos depois de 15 de Setembro, logo é dos mais novos. Assim sendo, muitos professores, pediatras etc questionam a falta de maturidade para ingressar no 1ºCiclo, bem como a parte de ainda precisarem muito de brincar. E aqui é que me doía. O brincar... Ele precisava tanto mas tanto de brincar...  mas por outro lado todos os amigos iam avançar e ele não iria saber lidar com o eu não consegui, eu não passei, eu fiquei para trás. Ou mudavamos tudo (conheço quem fez) e ele ia para outro infantário apenas por um ano até entrar depois na primária, ou ali não poderia ficar retido, com os do ano anterior. Isso era altamente reprovável para ele, mudava-se para a sala dos mais novos, deixava de ter os amigos e a professora, a bendita educadora que sempre o acompanhou e ele Adora de paixão. (Nós também). o sentimento do "ficar sozinho para trás" bateu mais forte e decidi avançar.  Contra opiniões de alguns e a favor de outros (até a uma psicologa levei o puto) decidi que ele apesar de toda a imaturidade, de não conseguir estar quieto, de ser distraído, impulsivo, não ter paciência decidimos arriscar... Passado um mês e pico de lá estar o balanço que faço é positivo. Tem dificuldades (não sei como estarão os outros) mas é empenhado, interessado, imensamente perfeccionista e curioso. Acabei por descobrir características dele incríveis e para já não me arrependo. Se ele vai conseguir acompanhar tudo à velocidade dos colegas não faço ideia, mas o empenho e o interesse estão lá o que já é muito bom. A escolha das escolas foi outro quebra cabeças, mas acabou por correr tudo bem. Está com a maioria dos amigos. (Para a próxima vou contar-vos um episódio do que se passa nas escolas públicas, que é uma vergonha.)

 

Em relação aos irmãos gémeos, a mudança também foi grande.  Mais um assunto que me enervou e me fez pensar as férias todas mas hoje posso dizer que essa decisão tenho a certeza que foi a melhor e a mais acertada para todos. A minha filha sempre arranjou problemas no infantário, que se manifestavam apenas à hora do almoço, quando berrava o tempo todo em voz alta e vomitava tudo. Chegou a ser posta de castigo, de parte, fizeram de tudo aocontrário do que acreditava ser melhor, no entanto percebi a angustia delas o desespero, da destabilização. Era todo o santo dia. A miuda não comia e enervava-se de tal forma que as pessoas vinham perguntar e questionar a eficiência da educadora em questão. Eu sempre achei que ela não gostava dela. Que ela se sentia diminuida pela presença do irmão. Porque por ela ser a mais despachada, a mais tudo só ligavam a ele. Que era o menino que quando entrou para lá aos 2 anos não falava, não andava sozinho, não subia escadas, não se equilibrava direito, não socializava apenas sorria muito e tinha o ar mais bem disposto mais fofo e giro do mundo <3 (ou não fosse a mãe a falar). De facto o irmão tornou-se numa espécie de masquote daquela escola toda. Todos literalmente o adoram e ele sempre foi especial. O problema é que eu chegava com os dois ao mesmo tempo e as pessoas n vezes só se dirigiam a ele. Não era por mal e são os dois meus filhos portanto também fcava contente pelo rapaz, mas a irmã chegou a puxar me as calças e a dizer-me baixinho "e eu?..." essa marcou-me tanto mas tanto que falei e reforcei que ela se sentia descriminada e tal. A educadora chegou a dizer-me que ela nao ligava nenhuma ao irmão, que o deixava para trás e nem olhava que lhe era indiferente, eu ia justificando mas ela não entendia. Estava demasiado focada em fazer o bem pelo que mais precisava. E fê-lo muito bem. Porque o miudo é outro graças ao esforço de todos (mas sobre isso falo mais adiante). Conclusão. Este ano abriu outra turma dos 3 anos e eu decidi que ela ia para a turma nova, que não continuava na do irmão, na dos amigos... Confesso que me custou imenso porque nunca os tinha separado. Afinal eles são gémeos. Mas achei que ela precisava de ter muito mais carinho, mais atenção, mais mimo. Precisava de se sentir importante. Ela é bem disposta, ela fala pelos cotovelos, e na sala dos 2 anos nunca foi ela. Não falava mal interagia em histórias de grupo enfim...A ajudar a decisão a professora que iria ficar com ela era a mesma do António, e eu não podia pedir mais. Conclusão, este ano todos me vêm falar dela. Que está tão diferente... (para melhor claro) Nunca chorou, nem uma vez acreditam? Come tudo sozinha (é das poucas) e porta-se tão bem. A miuda anda tão mas tão feliz que só quer ir para a escola. O que lhe disse para ela mudar?! Que já estava muito crescida e ia ter uma sala só dela com amigos só dela e uma professora que adorava dar beijinhos, abraços e contar histórias. (as duas primeiras características não se coadunam com a primeira) Ela ficou muito entusiasmada e só me diz que gosta mais de estar onde está. Nesta sala tem mimo de sobra, na outra tinha muitas regras, a educadora é mais generala como costumo brincar. Muito boa em resultados, nos afectos é mais fria e nao dá para todos os miudos ou pais.  Em relação ao meu filho ela é fantástica. Uma pessoa que adora desafios, superá-los e mostrar a todo o mundo que consegue pelo que o miúdo tem sido a adoração dela e muito bem lhe tem feito a ele.

 

Bem por hoje fico me por aqui mas ainda tenho assuntos para falar como:

Escola do Antonio

operação do irmão

Evoluções do irmão

O convívio dos 3, o casal e a família

Terapia da fala agora do mais velho também

 

Um beijinho e gostei de voltar a encontrar-vos espero que não se tenham esquecido de nós! :D

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Visitas

free counter

Estatísticas


Estatisticas Gratis

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Agora